O coração de Mira A e da sua companheira

O estudo de estrelas gigantes vermelhas ajuda os astrónomos a compreender melhor o futuro do nosso Sol - e como é que gerações anteriores de estrelas espalharam pelo Universo os elementos necessários à vida. Uma das gigantes vermelhas mais famosas do céu chama-se Mira A e faz parte do sistema binário Mira, o qual se situa a cerca de 400 anos-luz de distância da Terra. Esta imagem obtida pelo ALMA revela a vida secreta de Mira.

Mira A é uma estrela velha, que começa já a lançar para o espaço, para “reciclagem”, os produtos de uma vida inteira de trabalho. A companheira de Mira A, chamada Mira B, orbita-a a uma distância que corresponde a duas vezes a distância entre o Sol e Neptuno.

Sabe-se que Mira A possui um vento lento que molda delicadamente o material circundante. O ALMA confirmou agora que a companheira de Mira A é uma estrela muito diferente, com um vento muito diferente também. Mira B é uma anã branca densa e quente com um vento estelar forte e rápido.

As novas observações mostram como os ventos das duas estrelas deram origem a uma nebulosa complexa e bonita. A bolha em forma de coração situada no centro é criada pelo vento energético de Mira B no interior do vento mais lento de Mira A. O coração, formado algures nos últimos 400 anos, e o resto do gás que circunda o par de estrelas mostram que estes objetos têm estado já há algum tempo a construir juntos este bonito e estranho ambiente.

Ao observar estrelas como Mira A e Mira B os cientistas esperam descobrir como é que as estrelas duplas da nossa galáxia diferem de estrelas isoladas, no sentido de saber como é que estes objetos devolvem ao ecossistema estelar da Via Láctea os elementos que criaram. Apesar da distância entre si, Mira A e a sua companheira exercem um enorme efeito uma sobre a outra, demonstrando assim como é que as estrela duplas podem influenciar o ambiente que as rodeia e deixando pistas para os cientistas decifrarem.

Existem outras estrelas velhas no final das suas vidas que têm também um meio circundante estranho, como os astrónomos têm vindo a observar tanto com o ALMA como com outros telescópios. No entanto, nem sempre é claro se as estrelas são isoladas, como o Sol, ou duplas, como Mira. Mira A, a sua misteriosa companheira e a sua bolha em forma de coração fazem todas parte desta história.

As novas observações de Mira A e da sua companheira foram descritas neste artigo científico.

Créditos:

ESO/S. Ramstedt (Uppsala University, Sweden) & W. Vlemmings (Chalmers University of Technology, Sweden)

Sobre a imagem

Id:potw1447a
Língua:pt
Tipo:Observação
Data de divulgação:24 de Novembro de 2014 às 10:00
Tamanho:2011 x 2128 px

Sobre o objeto

Nome:Mira
Tipo:Milky Way : Star : Evolutionary Stage : Red Giant
Constellation:Cetus

Formatos de imagens

JPEG grande
819,8 KB

Zoom


Papéis de parede

1024x768
137,6 KB
1280x1024
231,3 KB
1600x1200
373,9 KB
1920x1200
513,5 KB
2048x1536
687,3 KB

Coordenadas

Position (RA):2 19 20.72
Position (Dec):-2° 58' 40.79"
Field of view:0.60 x 0.64 arcminutes
Orientação:O norte está a 0.0° à esquerda da vertical

Cores e filtros

BandaComprimento de ondaTelescópio
Milímetro900 μmAtacama Large Millimeter/submillimeter Array

 

Veja também