Tudo menos escuro

Os vários observatórios do ESO no Chile — Paranal, La Silla e Chajnantor — apresentam invejáveis níveis baixos de poluição luminosa. No entanto, o céu raramente se encontra completamente escuro!

Como podemos ver nesta imagem do Observatório do Paranal, o céu apresenta regularmente uma miríade de cores e vistas astronómicas, desde o plano da Via Láctea que brilha intensamente no céu até ao ponto alaranjado de Marte (à esquerda), as constelações estreladas do Escorpião e Orion, e a mancha magenta da Nebulosa Carina (em cima ao meio). Apesar do local remoto, existem ocasionalmente sinais de atividade humana, como por exemplo a sequência de luzes que podemos ver no centro da imagem. Estas ténues luzes iluminam a estrada que vai do Very Large Telescope (VLT) ao Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy (VISTA), donde foi tirada esta fotografia.

Devido à elevada sensibilidade da câmara, esta fotografia mostra igualmente um fenómeno misterioso, a chamada luminescência atmosférica. O céu noturno resplandece em tons de vermelho forte e verde, devido ao fraco brilho da atmosfera da Terra. Devido a este efeito, nenhum observatório sobre a Terra se apresenta completamente escuro — embora os do ESO se aproximem bastante.

Esta imagem foi obtida pelo astrónomo e fotógrafo Yuri Beletsky, um membro da Expedição Fulldome do ESO de 2016. A equipa deste projeto visitou o Chile com o intuito de juntar belas imagens para uso no Planetário & Centro de Visitantes Supernova do ESO.

Créditos:

Y. Beletsky (LCO)/ESO

Sobre a imagem

Id:potw1638a
Língua:pt
Tipo:Fotográfico
Data de divulgação:19 de Setembro de 2016 às 06:00
Tamanho:23111 x 9806 px

Sobre o objeto

Nome:Cerro Paranal, Milky Way, Paranal
Tipo:Milky Way : Sky Phenomenon : Night Sky
Unspecified : Technology : Observatory : Facility

Formatos de imagens

JPEG grande
54,7 MB

Zoom


Papéis de parede

1024x768
277,6 KB
1280x1024
475,0 KB
1600x1200
702,0 KB
1920x1200
827,5 KB
2048x1536
1,1 MB

 

Veja também