Um arco celestial ilumina o deserto

O arco da Via Láctea se estende no céu noturno chileno, acompanhado pelas Nuvens de Magalhães à esquerda e admirados a partir do edifício de controle do Observatório do Paranal do ESO, local onde está instalado o Very Large Telescope (VLT).  

A Via Láctea tem entre 100 000 e 200 000 anos-luz de diâmetro e é composta por bilhões de estrelas, entre elas o nosso Sol. O centro galáctico, que podemos ver aqui como a área brilhante no canto superior esquerdo do arco da Via Láctea, encontra-se a 27 000 anos-luz de distância de nós. O Sol demora quase 250 milhões de anos para completar uma órbita em torno do centro da Via Láctea, o que já fez cerca de 20 vezes desde a sua formação.

A Grande e Pequena Nuvens de Magalhães são duas galáxias vizinhas da Via Láctea, que orbitam a nossa Galáxia a uma distância de cerca de 160 000 e 200 000 anos-luz, respectivamente. Estas galáxias anãs apresentam uma forma irregular, muito possivelmente devido às interações gravitacionais entre si e com a nossa Galáxia. 

Se os telescópios forem vistos como os olhos do Observatório do Paranal, então o edifício de controle é o seu cérebro. Entre os seus diversos escritórios, temos a sala de controle, onde todos os telescópios e instrumentos são controlados e apontados para os objetos cósmicos a serem observados e onde é feita uma primeira avaliação dos dados colectados.

Crédito:

ESO/ M. Zamani

Sobre a imagem

Id:potw2132a
Idioma:pt-br
Tipo:Fotográfico
Data de divulgação:9 de Agosto de 2021 às 06:00
Tamanho:17979 x 8669 px

Sobre o objeto

Nome:Very Large Telescope
Tipo:Unspecified : Sky Phenomenon : Night Sky
Unspecified : Technology : Observatory

Formatos de imagens

JPEG grande
35,3 MB

Zoom


Papéis de parede

1024x768
271,0 KB
1280x1024
448,3 KB
1600x1200
649,2 KB
1920x1200
762,0 KB
2048x1536
1,0 MB