eso1036pt — Foto de Imprensa

NGC 4666: uma Galáxia com Super-Vento

1 de Setembro de 2010

A Galáxia NGC 4666 tem a honra de estar no centro desta nova imagem, obtida no visível com o instrumento Wide Field Imager montado no telescópio MPG/ESO de 2.2 metros no Observatório de La Silla, Chile. NGC 4666 é uma galáxia que apresenta formação estelar intensa e um invulgar “super-vento” de gás. Já tinha sido observada em raios X pelo telescópio espacial da ESA XMM-Newton, e a imagem aqui apresentada foi obtida no intuito de estudar outros objectos detectados anteriormente por estas observações em raios X.

NGC 4666, a galáxia proeminente que se encontra no centro desta imagem é uma galáxia de starburst, situada a cerca de 80 milhões de anos-luz de distância, que apresenta formação estelar particularmente intensa. Pensa-se que esta formação estelar intensa é causada por interacções gravitacionais entre a NGC 4666 e as suas galáxias vizinhas, incluindo NGC 4668, que pode ser observada no canto inferior esquerdo da imagem. Estas interacções provocam muitas vezes surtos de formação estelar intensa nas galáxias envolvidas.

Uma combinação de explosões de supernova e fortes ventos libertados por estrelas de grande massa na região de forte formação estelar origina a ejecção de um imenso jacto de gás da galáxia para o espaço - o chamado “super-vento”. O super-vento é enorme em termos de dimensões, tendo origem na região central brilhante da galáxia e estendendo-se por dezenas de milhar de anos-luz. Como o gás é muito quente, emite radiação essencialmente em raios X e em rádio, por isso não pode ser observado em imagens no visível, como é o caso da imagem aqui apresentada.

Esta imagem foi obtida no programa de seguimento das observações feitas com o telescópio espacial de raios X da ESA XMM-Newton. NGC 4666 era o alvo das observações originais do XMM-Newton, mas graças ao grande campo de visão do telescópio muitas outras fontes de raios X foram igualmente observadas. Uma dessas detecções ocasionais corresponde a um enxame de galáxias de baixa luminosidade que pode ser observado mesmo no centro inferior da imagem. Este enxame encontra-se muito mais afastado de nós que NGC 4666, a cerca de três milhares de milhões de anos-luz de distância.

De modo a melhor compreender a natureza dos objectos astronómicos, os investigadores estudam-nos em vários comprimentos de onda diferentes. Isto porque a radiação a diferentes comprimentos de onda dá-nos informação sobre os diferentes processos físicos que estão a decorrer. Neste caso, as observações do Wide Field Imager (WFI) [1], obtidas no visível, permitem-nos aprofundar o estudo dos objectos descobertos por acaso em raios X - um bom exemplo de como os astrónomos usam conjuntamente diferentes tipos de telescópios para explorar o Universo.

Notas

[1] O WFI é um projecto conjunto entre o Observatório Europeu do Sul (ESO), o Max-Planck-Institut für Astronomie (MPIA) em Heidelberg (Alemanha) e o Osservatorio Astronomico di Capodimonte (OAC) em Nápoles (Itália).

Informações adicionais

O ESO, o Observatório Europeu do Sul, é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 14 países: Áustria, Alemanha, Bélgica, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Itália, Holanda, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronómico, no visível, mais avançado do mundo e o VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo. O ESO é o parceiro europeu do revolucionário telescópio  ALMA, o maior projecto astronómico que existe actualmente. O ESO encontra-se a planear o European Extremely Large Telescope, E-ELT, um telescópio de 42 metros que observará na banda do visível e próximo infravermelho. O E-ELT será “o maior olho no céu do mundo”.

Links

Contactos

João Fernandes
Departamento de Matemática, Universidade de Coimbra
3001 - 454 Coimbra, Portugal
Telm.: 914002960
Email: eson.portugal@gmail.com

Richard Hook
ESO La Silla/Paranal & E-ELT Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Email: rhook@eso.org

Jörg Dietrich
Physics Department, University of Michigan
USA
Tel.: +1 734 615 4256
Email: jorgd@umich.edu

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1036, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os media, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.
Bookmark and Share

Sobre a Nota de Imprensa

No. da Notícia:eso1036pt
Nome:NGC 4666
Facility:MPG/ESO 2.2-metre telescope
Science data:2006A&A...449..837D

Imagens

The superwind galaxy NGC 4666
The superwind galaxy NGC 4666
apenas em inglês
Wide-field view of the field around NGC 4666
Wide-field view of the field around NGC 4666
apenas em inglês

Vídeos

Zooming in on NGC 4666
Zooming in on NGC 4666
apenas em inglês
Panning across the field of NGC 4666
Panning across the field of NGC 4666
apenas em inglês

Veja também