eso1309pt — Foto de Imprensa

Varrendo o pó de uma lagosta cósmica

Nova imagem infravermelha VISTA da NGC 6357

20 de Fevereiro de 2013

Esta nova imagem obtida pelo telescópio VISTA do ESO, capturou uma paisagem celeste de nuvens brilhantes de gás e filamentos de poeira que rodeiam estrelas quentes jovens. Esta imagem infravermelha revela-nos de maneira surpreendente a maternidade estelar NGC 6357. A imagem foi obtida no âmbito de um rastreio VISTA, que mapeia atualmente a Via Láctea no intuito de obter a sua estrutura e explicar como é que esta se formou.

Situada a cerca de 8000 anos-luz de distância na constelação do Escorpião, a NGC 6357 - também chamada Nebulosa da Lagosta [1] devido à sua aparência em imagens no visível - é uma região repleta de enormes nuvens de gás e filamentos de poeira escura. Estas nuvens estão a formar estrelas, incluindo estrelas quentes de grande massa, que brilham em tons azuis-esbranquiçados no visível.

Esta imagem foi composta a partir de dados infravermelhos obtidos pelo telescópio VISTA do ESO - Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy, situado no Observatório do Paranal, no Chile. A imagem faz parte de um enorme rastreio chamado Variáveis VISTA na Via Láctea (VVV), que se encontra atualmente a mapear as regiões centrais da Galáxia (eso1242). Esta nova imagem mostra algo dramaticamente diferente do observado em imagens no visível - como por exemplo na imagem obtida pelo telescópio dinamarquês de 1,5 metros em La Silla - já que a radiação infravermelha consegue penetrar muita da poeira que envolve o objeto [2].

Uma das estrelas jovens brilhantes na NGC 6357, conhecida por Pismis 24-1, levou os astrónomos a pensar que se tratava da maior estrela conhecida - até que se descobriu que ela é, na realidade, composta por, pelo menos, três enormes estrelas muito brilhantes, cada uma com uma massa inferior às 100 massas solares. Ainda assim, estas estrelas são pesos pesados - fazendo parte das estrelas de maior massa existentes na Via Láctea. A Pismis 24-1 é o objeto mais brilhante no enxame estelar Pismis 24, um grupo de estrelas que se pensa terem sido formadas todas ao mesmo tempo no seio da NGC 6357.

O VISTA é o maior e mais poderoso telescópio de rastreio alguma vez construído, dedicando-se a mapear o céu no infravermelho. O rastreio VVV encontra-se a mapear o bojo central e parte do plano da nossa galáxia, de modo a criar uma enorme base de dados que ajudará os astrónomos a descobrir mais sobre a origem, vida inicial e estrutura da Via Láctea.

Partes da NGC 6357 foram também observadas pelo Telescópio Espacial Hubble da NASA/ESA (heic0619a) e pelo Very Large Telescope do ESO (eso1226a). Ambos os telescópios obtiveram imagens no visível de várias partes da região - comparando essas imagens com esta nova imagem infravermelha podemos ver algumas diferenças interessantes. No infravermelho as enormes plumas de material de tom avermelhado estão muito mais reduzidas, com filamentos de gás púrpura pálido que se estendem para lá da nebulosa em diversas áreas.

Notas

[1] O nome informal de Nebulosa da Lagosta é também por vezes dado à região de formação estelar Messier 17 (eso0925), embora este último objeto seja mais frequentemente conhecido por Nebulosa Ómega.

[2] As observações infravermelhas conseguem revelar-nos estruturas que não se poderiam ver em imagens no visível, isto porque um objeto é, por exemplo, demasiado frio, está obscurecido por poeira espessa, ou encontra-se muito distante, sendo que neste último caso a sua radiação foi esticada pela expansão do Universo, tendo-se deslocado por isso na direção da região vermelha do espectro electromagnético.

Informações adicionais

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a investigação em astronomia e é o observatório astronómico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 15 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronómicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrónomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação na investigação astronómica. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronómico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é o parceiro europeu do revolucionário telescópio  ALMA, o maior projeto astronómico que existe atualmente. O ESO encontra-se a planear o European Extremely Large Telescope, E-ELT, um telescópio de 39 metros que observará na banda do visível e próximo infravermelho. O E-ELT será “o maior olho no céu do mundo”.

Links

Contactos

João Fernandes
Departamento de Matemática, Universidade de Coimbra
3001-454 Coimbra, Portugal
Telm.: 914002960
Email: eson-portugal@eso.org

Margarida Serote
ESO Science Outreach Network
Portugal
Telm.: +351 913722738
Email: eson-portugal@eso.org

Richard Hook
ESO, La Silla, Paranal, E-ELT & Survey Telescopes Press Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Telm.: +49 151 1537 3591
Email: rhook@eso.org

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1309, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contacto local com os meios de comunicação social, em ligação com os desenvolvimentos do ESO. A representante do nodo português é Margarida Serote.

Sobre a Nota de Imprensa

Nº da Notícia:eso1309pt
Nome:NGC 6357
Tipo:• Milky Way : Nebula : Type : Star Formation
Facility:Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy

Imagens

A Nebulosa da Lagosta observada pelo telescópio VISTA do ESO
A Nebulosa da Lagosta observada pelo telescópio VISTA do ESO
A maternidade estelar NGC 6357 na constelação do Escorpião
A maternidade estelar NGC 6357 na constelação do Escorpião
Imagem de grande angular da região da NGC 6357
Imagem de grande angular da região da NGC 6357
Comparação da imagem VISTA da NGC 6357 com uma imagem no visível do mesmo objeto
Comparação da imagem VISTA da NGC 6357 com uma imagem no visível do mesmo objeto

Vídeos

Zoom sobre a imagem infravermelha VISTA da NGC 6357
Zoom sobre a imagem infravermelha VISTA da NGC 6357
Comparação da imagem VISTA da NGC 6357 com uma imagem no visível do mesmo objeto
Comparação da imagem VISTA da NGC 6357 com uma imagem no visível do mesmo objeto

Veja também