Kids

eso1306pt-br — Foto de imprensa

As Asas da Nebulosa da Gaivota

6 de Fevereiro de 2013

Esta nova imagem do ESO mostra parte de uma nuvem de poeira e gás brilhante chamada Nebulosa da Gaivota. Estas nuvens vermelhas filamentares formam parte das “asas” desta ave celeste e a fotografia revela uma intrigante mistura de nuvens escuras e nuvens brilhantes vermelhas, que serpenteam por entre as estrelas brilhantes. Esta nova imagem foi obtida pela câmera Wide Field Imager, montada no telescópio MPG/ESO do 2,2 metros, instalado no Observatório de La Silla do ESO, no Chile.

Estendendo-se entre as constelações do Cão Maior e do Unicórnio, no céu austral, a Nebulosa da Gaivota é uma enorme nuvem constituída praticamente só por hidrogênio gasoso. É um exemplo do que os astrônomos chamam de região HII. Estrelas quentes formam-se no interior das nuvens e emitem radiação ultravioleta intensa, o que faz com que o gás circundante brilhe intensamente.

O tom avermelhado da imagem é um sinal da presença de hidrogênio ionizado [1]. A Nebulosa da Gaivota, conhecida pelo nome formal de IC 2177, é um objeto complexo com a forma de um pássaro, constituído por três grandes nuvens de gás: Sharpless 2-292 (eso1237) forma a cabeça; esta imagem mostra parte de Sharpless 2-296, que forma as enormes “asas”; e finalmente Sharpless 2-297, que constitui um pequeno nó na ponta da “asa” direita da gaivota [2].

Estes objetos fazem todos parte do catálogo de nebulosas Sharpless, uma lista de mais de 300 nuvens de gás brilhantes, compilada pelo astrônomo americano Stewart Sharpless nos anos 1950. Antes da publicação do catálogo, Sharpless era um estudante de pós-graduação no Observatório de Yerkes, perto de Chicago, EUA, onde juntamente com alguns colegas publicou um trabalho observacional que ajudou a demonstrar que a Via Láctea é uma galáxia espiral com enormes braços curvos.

As galáxias espirais podem conter milhares de regiões HII, a maioria das quais se concentra ao longo dos braços em espiral. A Nebulosa da Gaivota situa-se num dos braços em espiral da Via Láctea. No entanto, isto não acontece em todas as galáxias; embora as galáxias irregulares tenham regiões HII, estas se encontram espalhadas pela galáxia, e nas galáxias elípticas estas regiões parecem nem existir. A presença de regiões HII indica que existe formação estelar intensa em uma galáxia.

Esta imagem de Sharpless 2-296 foi obtida pela câmera Wide Field Imager (WFI), uma enorme câmera montada no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros no Observatório de La Silla do ESO, no Chile. A imagem mostra uma pequena parte da nebulosa, uma nuvem enorme que está formando estrelas quentes no seu interior a uma elevada taxa. Podemos ver Sharpless 2-296 iluminada por várias estrelas jovens particularmente brilhantes. Vemos também muitas outras estrelas espalhadas por toda a parte, incluindo uma tão brilhante que se destaca como o “olho “ da gaivota em imagens que mostram a região completa.

Imagens de grande angular desta região do céu mostram uma imensidão de interessantes objetos astronômicos. As estrelas jovens brilhantes no interior da nebulosa fazem parte da região de formação estelar próxima CMa R1, na constelação do Cão Maior, que se encontra repleta de estrelas e aglomerados brilhantes. Próximo da Nebulosa da Gaivota encontramos a Nebulosa do Capacete de Thor, um objeto que foi observado com o Very Large Telescope do ESO (VLT) por ocasião do 50º Aniversário do ESO, em 5 de outubro de 2012, com o auxílio de Brigitte Bailleul - vencedora do concurso “Tuíte até ao  VLT!” (eso1238a).

Notas

[1] Os astrônomos usam o termo HII para se referirem ao hidrogênio ionizado e HI para o hidrogênio atômico. O átomo de hidrogênio é constituído por um elétron ligado a um próton, mas no caso do gás estar ionizado, os átomos separam-se em elétrons livres e íons positivos que, neste caso, são apenas os prótons isolados.

[2] Estes objetos têm o nome oficial de Sh 2-292, Sh 2-296 e Sh 2-297, respectivamente.

Mais Informações

O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a pesquisa em astronomia e é o observatório astronômico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 15 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronômicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrônomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação nas pesquisas astronômicas. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronômico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é o parceiro europeu do revolucionário telescópio  ALMA, o maior projeto astronômico que existe atualmente. O ESO está planejando o European Extremely Large Telescope, E-ELT, um telescópio de 39 metros que observará na banda do visível e infravermelho próximo. O E-ELT será “o maior olho no céu do mundo”.

Links

Contatos

Gustavo Rojas
Universidade Federal de São Carlos
São Carlos, Brazil
Tel.: 551633519795
e-mail: grojas@ufscar.br

Richard Hook
ESO, La Silla, Paranal, E-ELT & Survey Telescopes Press Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Cel.: +49 151 1537 3591
e-mail: rhook@eso.org

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1306, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contato local para a imprensa. O representante brasileiro é Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos. A nota de imprensa foi traduzida por Margarida Serote (Portugal) e adaptada para o português brasileiro por Gustavo Rojas.

Sobre a nota de imprensa

No. da notícia:eso1306pt-br
Nome:IC 2177, Seagull Nebula
Tipo:• Milky Way : Nebula : Type : Star Formation
• Milky Way : Nebula : Appearance : Emission : H II Region
Facility:MPG/ESO 2.2-metre telescope

Imagens

A nuvem brilhante Sharpless 2-296, parte da Nebulosa da Gaivota
A nuvem brilhante Sharpless 2-296, parte da Nebulosa da Gaivota
A Nebulosa da Gaivota na fronteira entre as constelações do Unicórnio e do Cão Maior
A Nebulosa da Gaivota na fronteira entre as constelações do Unicórnio e do Cão Maior
Vista de campo amplo de toda a Nebulosa da Gaivota (IC 2177)
Vista de campo amplo de toda a Nebulosa da Gaivota (IC 2177)

Vídeos

Zoom na direção das asas da Nebulosa da Gaivota
Zoom na direção das asas da Nebulosa da Gaivota
Panorâmica sobre parte da Nebulosa da Gaivota
Panorâmica sobre parte da Nebulosa da Gaivota

Veja também