Escolha o seu idioma:

Uma camada de neve no deserto do Atacama

As cúpulas do VLT do ESO no Cerro Paranal reluzem ao Sol em mais um glorioso dia sem nuvens. Mas algo está diferente nesta imagem: uma fina camada de neve espalhou-se pela paisagem do deserto. Isto não é algo que se vê todos os dias: muito pelo contrário, já que o deserto do Atacama praticamente não recebe precipitação.

Vários fatores contribuem para as condições secas do Atacama. A Cordilheira dos Andes bloqueia a chuva vinda do leste, e a Cordilheira Costal chilena a chuva vinda do oeste. A corrente marítima de Humboldt, um fluxo gelado no Oceano Pacífico, cria uma camada de inversão térmica no ar litorâneo, que impede que nuvens de chuva sejam formadas. A região de alta pressão no sudeste do Oceano Pacífico faz com que os ventos circulem, gerando anti-ciclones, que também contribuem para manter o clima do Atacama árido. Graças a esses fatores, a região é conhecida como o lugar mais seco da Terra!

No Paranal, os níveis de precipitação normalmente são de alguns milímetros por ano, com umidade tipicamente abaixo de 10%, e temperaturas variando de -8 a 25 graus Celsius. A aridez do deserto do Atacama e do Cerro Paranal é a principal razão da escolha deste local pelo ESO para abrigar o VLT. Enquanto a ocasional neve pode temporariamente interromper as condições secas, ela ao menos produz visões de rara beleza.

Esta fotografia foi tirada pelo Embaixador Fotográfico da ESO Stéphane Guisard a 1 de Agosto de 2011.

Links

Crédito:

ESO/S. Guisard (www.eso.org/~sguisard)

Bookmark and Share

Sobre a imagem

Id:potw1211a
Idioma:pt-br
Tipo:Fotográfico
Data de divulgação:12 de Março de 2012 às 10:00
Tamanho:5616 x 3744 px

Sobre o objeto

Nome:Cerro Paranal, Paranal
Tipo:• Unspecified : Planet : Feature : Surface
• X - Paranal

Zoom


Papéis de parede

1024x768
325,8 KB
1280x1024
509,6 KB
1600x1200
712,2 KB
1920x1200
846,2 KB
2048x1536
1,1 MB

Veja também