Foto da Semana 2013

30 de Dezembro de 2013

Noite luminosa no Paranal

Quando a noite cai os observatórios do ESO despertam. Astrónomos e técnicos ocupam os seus lugares e os telescópios são apontados ao céu. Esta imagem mostra o céu extremamente límpido sobre o Observatório do Paranal do ESO no deserto chileno do Atacama, situado bem longe das luzes citadinas.

O Embaixador Fotográfico do ESO Gabriel Brammer capturou a beleza serena da Via Láctea a partir da plataforma do Very Large Telescope. Os quatro enormes blocos ao fundo da imagem são os quatro Telescópios Principais do VLT, cada um com um espelho muito preciso de 8,2 metros de diâmetro. Espalhados entre estes telescópios encontram-se os Telescópios Auxiliares do VLT, facilmente identificáveis  pelas suas cúpulas brancas redondas. O ponto de luz à esquerda é a Lua, que brilha tão intensamente como se do Sol se tratasse. Podemos ver ainda encostada à direita a sombra do fotógrafo, que nos acena com os braços esticados.

Todo o céu nocturno pode ser observado devido ao uso de uma lente olho de peixe, que cria este efeito circular com o solo a rodear toda a imagem.


23 de Dezembro de 2013

Votos de Boas Festas do Observatório Europeu do Sul

O Observatório Europeu do Sul deseja a todos umas Boas Festas, com votos de Feliz Natal e Próspero Ano Novo!

Links


16 de Dezembro de 2013

Rastros de estrelas sobre o VLT no Paranal

Esta imagem obtida por Babak A. Tafreshi, um dos Embaixadores Fotográficos do ESO, no Observatório do Paranal do ESO, mostra três dos quatro Telescópios Auxiliares do Interferómetro do Very Large Telescope. No céu por cima deles, as longas tiras de luz são rastros de estrelas, cada uma delas marcando o movimento aparente de uma única estrela no céu noturno, devido à rotação da Terra. Esta técnica faz igualmente sobressair as cores naturais das estrelas, as quais nos informam sobre as suas temperaturas, que vão desde uns 1000 graus Celsius para as mais vermelhas até a algumas dezenas de milhares de graus Celsius para as mais quentes, que vemos a azul. Neste local remoto e alto, o céu é extremamente límpido e não apresenta nenhuma poluição luminosa, oferecendo-nos este magnífico espetáculo de luz.


2 de Dezembro de 2013

Luz zodiacal ilumina o céu do Paranal

Esta impressionante fotografia, tirado no local do Very Large Telescope do ESO (VLT), no Observatório do Paranal, no Chile, mostra a Via Láctea, no centro à esquerda, com nebulosas, estrelas e nuvens de gás, subindo por cima dos Telescópios Principais do VLT.

À direita, chamando igualmente a atenção à medida que desenha um arco por cima do horizonte, uma bonita banda de luz difusa, quase triangular, pode ser vista ao longo da eclíptica, que é o caminho aparente que o Sol percorre no céu, quando visto a partir da Terra.

Esta luz tem origem na luz solar que é dispersa pela poeira que se encontra entre os planetas, espalhada ao longo do plano do Sistema Solar. Coincide com a zona no céu chamada o Zodíaco, o qual se estende oito graus para cada lado da eclíptica e contém as tradicionais constelações zodiacais.


25 de Novembro de 2013

Constelações antigas sobre o ALMA

Babak Tafreshi, um dos Embaixadores Fotográficos do ESO, capturou as antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) numa imagem que combina a beleza do céu austral com as prodigiosas dimensões do maior projeto astronómico do mundo.

Milhares de estrelas podem ser vistas a olho nu nos céus límpidos do planalto do Chajnantor. O ar seco e transparente é uma das razões pelas quais o ALMA foi aqui construído. Surpreendentemente brilhante, no canto esquerdo da fotografia, podemos ver um grupo compacto de estrelas jovens, o enxame das Pleiades, que era já conhecido da maioria das civilizações antigas. A constelação de Orion vê-se claramente por cima da mais próxima das antenas - o cinturão do caçador é formado pelas três estrelas que se encontram mesmo à esquerda da luz vermelha. De acordo com a mitologia clássica, Orion era um caçador que perseguia as Pleiades, as belas filhas de Atlas. Quando vistas através da fina atmosfera do Atacama, até parece que a caçada épica está realmente a acontecer.

O ALMA, uma infraestrutura astronómica internacional, é uma parceria entre a Europa, a América do Norte e o Leste Asiático, em cooperação com a República do Chile. A construção e operação do ALMA é coordenada pelo ESO, em prol da Europa, pelo Observatório Nacional de Rádio Astronomia (NRAO), em prol da América do Norte e pelo Observatório Astronómico Nacional do Japão (NAOJ), em prol do Leste Asiático. O Observatório ALMA (JAO) fornece uma liderança e direção unificadas na construção, gestão e operação do ALMA.


11 de Novembro de 2013

Vista panorâmica do ALMA com a Nebulosa Carina

O Embaixador Fotográfico do ESO, Babak Tafreshi, capturou esta vista panorâmica das antenas do Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA) sob um céu límpido no planalto do Chajnantor, nos Andes chilenos.

A mancha rosada proeminente à esquerda da imagem é a Nebulosa Carina, que se situa na constelação Carina (a Quilha), a cerca de 7500 anos-luz de distância da Terra. Esta nuvem de gás brilhante e poeira é uma das nebulosas mais brilhantes no céu e contém várias das estrelas mais brilhantes e de maior massa conhecidas na Via Láctea, tais como a estrela Eta Carinae. Algumas das imagens da Nebulosa Carina obtidas recentemente com telescópios do ESO, podem ser vistas em eso1208, eso1145 e eso1031.

O ALMA, uma infraestrutura astronómica internacional, é uma parceria entre a Europa, a América do Norte e o Leste Asiático, em cooperação com a República do Chile. A construção e operação do ALMA é coordenada pelo ESO, em prol da Europa, pelo Observatório Nacional de Rádio Astronomia (NRAO), em prol da América do Norte e pelo Observatório Astronómico Nacional do Japão (NAOJ), em prol do Leste Asiático. O Observatório ALMA (JAO) fornece uma liderança e direção unificadas na construção, gestão e operação do ALMA.


4 de Novembro de 2013

Visitantes equestres

Numa noite escura de setembro no Observatório de La Silla do ESO, depois de uma noite passada no telescópio, o astrónomo Klaas Wiersema estava a voltar para o restaurante. A maior parte do trabalho num observatório acontece durante a noite, por isso não é invulgar ver cientistas e técnicos a passar no meio da escuridão.

Desta vez, no entanto, algo imprevisto aconteceu. De repente, Klaas ouviu um resfolegar ruidoso por trás de si e o som de enormes patas a persegui-lo. Convencido de que algum tipo de animal furioso tinha saído da sua toca e estava a caçá-lo, Klaas desatou a correr. Não fazia ideia que animal o poderia estar a perseguir nas encostas desoladas do deserto do Atacama, 2400 metros acima do nível do mar, por isso passou o resto da noite a tentar desvendar o mistério.

Quando o dia nasceu Klaas saiu para explorar, descobrindo que  tinha afinal passado muito perto de uma manada de cavalos selvagens que, pelos vistos, tinham vindo visitar o observatório. O garanhão estaria muito provavelmente a defender as suas fêmeas. Klaas tirou esta fotografia como prova do encontro imediato da noite anterior.

Klaas submeteu a fotografia ao grupo Flickr Your ESO Pictures. O grupo Flickr é regularmente revisto e as melhores fotografias são seleccionadas para aparecerem na nossa popular série Fotografia da Semana ou na nossa galeria de imagens.

Links


28 de Outubro de 2013

Céu flamejante por cima do Paranal

Nesta fotografia nocturna fantasmagórica, tirada no Observatório do Paranal, podemos ver três dos quatro Telescópios Auxiliares do VLT. Cada telescópio, com 1,8 metros, foi concebido para trabalhar em uníssono com os outros três, como se de um único telescópio se tratassem, graças ao interferómetro do VLT.

No fundo da imagem, na beleza calma do céu do Atacama, destaca-se uma espécie de aurora vermelha, a chamada luminescência  terrestre. Trata-se de um fenómeno causado por reacções químicas na atmosfera, que emitem radiação. Normalmente, estas emissões não são muito fortes mas, na noite em que esta fotografia foi tirada, o efeito estava particularmente brilhante, dando origem a esta invulgar imagem.


21 de Outubro de 2013

Duas galáxias observadas a olho nu por cima do VLT

Esta imagem extraordinária do céu límpido do Chile, mostra miríades de estrelas brilhantes e galáxias distantes, todas suspensas por cima de um dos quatro Telescópios Principais do Very Large Telescope (VLT), o telescópio número 4 conhecido por Yepun (Vénus).

Dois dos objetos que aparecem a imagem, são mais famosos do que os seus vizinhos. Na parte esquerda da fotografia encontra-se uma galáxia proeminente que forma um traço ao longo do céu - trata-se da Messier 31 ou galáxia de Andrómeda. Mais para cima e à direita  desta mancha, vemos uma estrela brilhante, que por sua vez aponta na direção de uma galáxia que se situa mais ou menos na mesma linha. Esta estrela é a Beta Andromedae - também conhecida por Mirach - e a segunda galáxia é a Messier 33 (mesmo no cimo da imagem). Pensa-se que estas duas galáxias interagiram entre si no passado, formando uma ponte de hidrogénio gasoso que enche o espaço que as separa.

Esta imagem foi obtida pelo Embaixador Fotográfico do ESO Babak Tafreshi.

Links


7 de Outubro de 2013

Oásis ou covil secreto?

Esta imagem mostra um céu escuro no Chile repleto de rastros de estrelas - causados pela rotação da Terra durante uma exposição longa da máquina fotográfica. Sob estes traços dramáticos situa-se a Residencia do Paranal, um oásis para o pessoal e visitantes do Very Large Telescope do ESO, situado a elevada altitude no Cerro Paranal, no deserto chileno.

A construção da Residencia começou em 1998 e ficou concluída em 2002. Desde essa altura que este local oferece uma pausa bem merecida, das condições inóspitas e secas do deserto, aos cientistas e engenheiros que trabalham no Observatório do Paranal.

O edifício de quatro andares tem a maior parte da sua estrutura enterrada no solo. A infraestrutura foi desenhada pelos arquitetos alemães Auer+Weber para complementar o ambiente circundante. Vista de certos ângulos, a combinação da arquitetura utilitária hi-tec e  do design discreto, quase tipo camuflagem, lembra o covil secreto do vilão. Talvez não seja por isso tão surpreendente que a Residencia tenha sido selecionada como cenário da batalha final do filme de James Bond Quantum of Solace em 2008.

O utilizador do Flick John Colosimo submeteu esta fotografia ao grupo Flick Your ESO Pictures. O grupo Flick é regularmente visto e as melhores fotografias são selecionadas para a nossa popular série Fotografia da Semana ou para a nossa galeria de imagens.

Links


30 de Setembro de 2013

Revelando estrelas e galáxias distantes

Esta imagem, salpicada de estrelas e galáxias distantes, é uma imagem de campo profundo obtida com o Wide Field Imager (WFI), uma câmara montada no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros, situado no Observatório de La Silla, Chile.

Foi obtida no âmbito do rastreio COMBO-17 (sigla do inglês para Classifying Objects by Medium-Band Observations in 17 filters), um projeto que está a mapear cinco pequenas zonas no céu em 17 filtros ópticos diferentes. A área total do céu explorado em cada um dos campos do COMBO-17 equivale a aproximadamente o tamanho da Lua Cheia, e cada campo tem revelado um enorme número de objetos distantes - demonstrando assim o quanto ainda há por descobrir no céu.

A imagem mostra uma região que foi igualmente estudado no âmbito do campo profundo do FORS (FDF, sigla do inglês para FORS Deep Field), um projeto que examinou várias áreas no céu com grande detalhe e profundidade, com o auxílio do espectrógrafo FORS2, instrumento que se encontra atualmente instalado no Very Large Telescope do ESO, no Observatório do Paranal, Chile. No entanto, estas novas imagens WFI usaram muito mais filtros que as anteriores observações FDF, e observaram zonas maiores do céu, o que resultou em imagens como a que aqui mostramos.

Estas pequenas olhadelas ao Universo revelaram já dezenas de milhares de estrelas e galáxias distantes e quasares anteriormente escondidos de nós, e foram usadas para investigar o efeito de lente gravitacional e a distribuição de matéria escura em galáxias e enxames de galáxias.

Links

 


23 de Setembro de 2013

Uma nova “estrelinha” fria no nosso quintal

Esta nova imagem, obtida pelo telescópio VISTA do ESO, mostra uma anã castanha recém descoberta chamada VVV BD001, localizada no centro exato desta imagem, à qual pode ser feito zoom. Esta é a primeira anã castanha nova encontrada na nossa vizinhança cósmica, no âmbito do rastreio VVV. A VVV BD001 situa-se a cerca de 55 anos-luz de distância da Terra, na direção do centro muito populado da nossa Galáxia.

As anãs castanhas são estrelas que nunca conseguiram crescer e transformar-se em estrelas como o Sol. São muitas vezes referidas como “estrelas falhadas”; têm um tamanho maior que os planetas do tipo de Júpiter mas são mais pequenas que estrelas.

Esta anã castanha é peculiar por duas razões: primeiro foi encontrada na direção do centro da Via Láctea, uma das regiões mais populadas do céu e segundo, pertence a uma classe invulgar de objetos conhecidos como “anãs castanhas invulgarmente azuis”  - não sendo ainda claro porque é que são mais azuis do que o esperado.

As anãs castanhas nascem do mesmo modo que as estrelas, no entanto não possuem massa suficiente para dar origem à queima do hidrogénio e transformarem-se em estrelas normais. É por isso que estes objetos são muito mais frios e produzem menos radiação, o que os torna mais difíceis de encontrar. Geralmente, os astrónomos procuram estes objetos com o auxílio de câmaras que trabalham no infravermelho próximo e médio e com telescópios especiais, sensíveis a estes objetos muito frios, mas normalmente evitam olhar para regiões muito populadas do espaço como, por exemplo, a região central da nossa Galáxia.

O VISTA (Visible and Infrared Survey Telescope for Astronomy) é o maior telescópio de rastreio do mundo e situa-se no Observatório do Paranal do ESO, no Chile. O telescópio encontra-se a executar seis rastreios independentes do céu e o rastreio VVV (Variáveis VISTA na Via Láctea) foi concebido para catalogar milhares de milhões de objetos no centro da Via Láctea. A VVV BD001 foi descoberta por acaso no decorrer deste rastreio.

Os cientistas usaram o catálogo VVV para criarem um mapa tridimensional do bojo central da Via Láctea (eso1339). Os dados foram também usados para criar uma enorme imagem a cores de 108 200 por 81 500 pixels, que contém quase nove mil milhões de pixels (eso1242), uma das maiores imagens astronómicas alguma vez produzidas.

Links


16 de Setembro de 2013

Toconao visto de cima

A pequena aldeia de Toconao é a povoação mais próxima do maior projeto astronómico que existe, o ALMA [1], o Atacama Large Millimeter/submillimeter Array. Toconao tem menos de 800 habitantes e situa-se a 2475 metros acima do nível do mar num oásis natural alimentado por um pequeno rio da montanha, na periferia do deserto mais seco do mundo, o Atacama. O rio não corre o ano todo, mas os agricultores locais construíram sabiamente uma rede de diques e canais que lhes permite regular o fluxo de água e assim ter colheitas o ano inteiro.

Uma inspeção cuidada à fotografia revela-nos alguns edifícios construídos com materiais tradicionais, tais como rocha vulcânica e tijolo cru, como por exemplo a Igreja San Lucas e a Torre do Sino, em baixo e à esquerda, na imagem. 

Paralelamente ao seu trabalho científico, o pessoal do ALMA tem trabalhado com os anciãos do Atacama em Toconao e noutras regiões, no intuito de recuperar a visão do Universo da sua cultura e de preservar esta herança cultural e científica para as gerações vindouras.

O ALMA apoia igualmente, desde 2008, um plano educacional na Escola E-21, uma instituição escolar pública rural em Toconao. Este plano, apoiado também pela comunidade, está direccionado para a melhoria da educação de ciência e de inglês.

Esta imagem aérea foi tirada pelos dois membros da equipa do projeto ORA Asas para a Ciência, Clémentine Bacri e Adrien Normier, que voam num avião ultraleve especial amigo do ambiente [2], numa viagem de um ano em torno do mundo, ajudando os cientistas com as suas capacidades aéreas em projetos tão diversos como amostragem de ar, arqueologia, observação de biodiversidade e modelização de terrenos a 3D.

O ESO tem uma parceria para a divulgação com esta organização sem fins lucrativos. Os pequenos filmes e belas imagens produzidos durante os voos são utilizados para fins educativos e promoção da investigação local. A viagem de circumnavegação da equipa começou em junho de 2012 e terminará em junho de 2013, com uma aterragem no Espectáculo Aéreo de Paris.

Notas

[1] O Atacama Large Millimeter/submillimeter Array (ALMA), uma infraestrutura astronómica internacional, é uma parceria entre a Europa, a América do Norte e o Leste Asiático, em cooperação com a República do Chile. O ALMA é financiado na Europa pelo Observatório Europeu do Sul (ESO), na América do Norte pela Fundação Nacional para a Ciência dos Estados Unidos (NSF) em cooperação com o Conselho Nacional de Investigação do Canadá (NRC) e no Leste Asiático pelos Institutos Nacionais de Ciências da Natureza (NINS) do Japão em cooperação com a Academia Sínica (AS) da Ilha Formosa. A construção e operação do ALMA é coordenada pelo ESO, em prol da Europa, pelo Observatório Nacional de Rádio Astronomia (NRAO), que é gerido, pela Associação de Universidades (AUI), em prol da América do Norte e pelo Observatório Astronómico Nacional do Japão (NAOJ), em prol do Leste Asiático. O Observatório ALMA (JAO) fornece uma liderança e direção unificadas na construção, gestão e operação do ALMA.

[2] O avião ultraleve utilizado é um Pipistrel Virus SW 80, galardoado com um prémio da NASA, que usa apenas 7 litros de combustível para cada 100 km - menos que a maioria dos carros.


9 de Setembro de 2013

Olhos de águia sobre o Armazones

Esta bela fotografia aérea do Cerro Armazones, obtida pelo Embaixador Fotográfico do ESO Gerhard Hüdepohl, representa o momento ideal para o fotógrafo: quando tudo se posiciona para a fotografia perfeita.

Hüdepohl é também engenheiro electrónico no Very Large Telescope do Observatório Europeu do Sul, no Cerro Paranal, o observatório astronómico a trabalhar no visível mais avançado do mundo e a infraestrutura emblemática do ESO. Hüdepohl capturou esta imagem quando ia num voo de Antofagasta para Santiago. Pouco depois da descolagem, o avião tomou o percurso ideal para uma fotografia aérea do Cerro Armazones - e Hüdepohl não podia ter pedido melhores condições. Aproveitando o momento, conseguiu capturar esta perspectiva invulgar do terreno visto de cima.

A imagem mostra o deserto do Atacama extremamente nítido, com o estreito caminho serpenteante bem destacado no meio do terreno poeirento. A estrada de terra batida sobe até ao cimo do Cerro Armazones, que se encontra neste momento cheio de equipamento de rastreio, mas que será o local do European Extremely Large Telescope, um telescópio de 40 metros que, não só responderá às atuais questões da astronomia, como também levantará, e esperemos que responda, a outras questões completamente novas.

Links


2 de Setembro de 2013

PESSTO fotografa supernova na Messier 74

O rastreio PESSTO do ESO capturou esta imagem da Messier 74, uma magnífica galáxia em espiral com braços bem definidos. No entanto, o verdadeiro interesse da imagem situa-se numa nova e brilhante adição à galáxia, que apareceu no final de julho de 2013: uma supernova do Tipo II chamada SN2013ej, que podemos ver como a estrela mais brilhante no canto inferior esquerdo.

Este tipo de supernovas ocorre quando o núcleo de uma estrela de grande massa colapsa devido à sua própria gravidade, no final da sua vida. Este colapso resulta numa explosão enorme que ejecta matéria para o espaço. A detonação resultante pode ser mais brilhante que toda a galáxia que a alberga, estando visível durante semanas ou até meses.

O rastreio PESSTO (sigla do inglês de Public ESO Spectroscopic Survey for Transient Objects) foi concebido para estudar objetos que aparecem brevemente no céu nocturno, tais como supernovas. O rastreio é levado a cabo com o auxílio de uma quantidade de instrumentos montados no NTT (New Technology Telescope), situado no Observatório de La Silla do ESO, no Chile. Esta nova fotografia da SN2013ej foi obtida com o NTT no decorrer deste rastreio.

A SN2013ej é a terceira supernova a ser observada na Messier 74 desde o novo milénio, sendo as outras duas a SN2002ap e a SN2003gd. Foi assinalada pela primeira vez a 25 de julho de 2013 pela equipa do telescópio KAIT na Califórnia, e a primeira imagem de pré-recuperação foi tirada pela astrónoma amadora Christina Feliciano, que usou a Câmara Espacial SLOOH de acesso público para observar a região nos dias e horas que precederam a explosão.

A Messier 74, na constelação dos Peixes, é um dos objetos de Messier mais difíceis de observar para os astrónomos amadores, devido ao seu ténue brilho de superfície, no entanto a SN2013ej deve ainda poder ser vista por astrónomos amadores atentos durante as próximas semanas, visível como uma estrela ténue e a desvanecer.

Links


26 de Agosto de 2013

Esculpida por estrelas de elevada massa

Esta imagem obtida pelo Very Large Telescope do ESO mostra uma pequena parte da bem conhecida nebulosa de emissão, NGC6357, situada a cerca de 8000 anos-luz de distância, na cauda da constelação austral do Escorpião. A imagem brilha com o característico tom vermelho de uma região H II, e contém uma enorme quantidade de hidrogénio gasoso excitado e ionizado.

As nuvens estão banhadas em intensa radiação ultravioleta, emitida principalmente pelo enxame estelar aberto Pismis 24, onde se encontram algumas estrelas azuis jovens de grande massa, que é re-emitida como radiação visível, com um distinto tom avermelhado.

O enxame propriamente dito está fora do campo de visão da imagem, a luz difusa está a iluminar a nuvem na parte central direita da imagem. A imagem mostra um detalhe da nebulosa circundante, com uma mistura de gás, poeira escura e estrelas recém nascidas ou ainda a formarem-se.


19 de Agosto de 2013

Céu estrelado em La Silla

Uma brilhante cortina de estrelas é o pano de fundo desta bela imagem obtida pelo astrónomo Håkon Dahle. A silhueta em primeiro plano é o próprio Håkon, rodeado por algumas das grandes cúpulas escuras que enchem a paisagem no Observatório de La Silla do ESO.

Muitos astrónomos profissionais são também fotógrafos entusiasmados - e quem os pode culpar? Os locais do ESO no deserto do Atacama estão entre os melhores do mundo para observar as estrelas e são, pela mesma razão, lugares fantásticos para fotografar o céu nocturno.

Håkon tirou esta fotografia durante uma semana de observação no telescópio MPG/ESO de 2,2 metros. Durante esse tempo, o telescópio era ocasionalmente entregue a outra equipa de observação, dando a Håkon  a oportunidade de admirar o céu estrelado - assim como fotografá-lo para que todos nós o pudéssemos também admirar.

A Via Láctea é mais brilhante no hemisfério sul do que no norte, por causa da maneira como as regiões sul do nosso planeta apontam na direção do denso centro galáctico. Mas, até no sul, o céu nocturno é bastante ténue no céu. Para a maioria de nós, a poluição luminosa das cidades e até da Lua podem eclipsar o fraco brilho da galáxia, não nos permitindo observá-la.

Um dos melhores aspectos do Observatório de La Silla é que se encontra muito longe das brilhantes luzes das cidades, o que faz com que disfrutemos de um dos céus mais escuros da Terra. A atmosfera é também muito límpida e por isso não temos nenhum tipo de névoa a estragar-nos a vista. O céu em La Silla é tão escuro que é possível ver sombras lançadas pela luz da própria Via Láctea.

Håkon submeteu esta fotografia ao grupo Flickr Your ESO Pictures. O grupo Flickr é regularmente revisto e as melhores fotografias são seleccionadas para aparecerem na nossa popular série Fotografia da Semana ou na nossa galeria de imagens.


12 de Agosto de 2013

Calmaria antes da tempestade

Esta bela imagem mostra as galáxias NGC 799 (em baixo) e a NGC 800 (em cima) situadas na constelação da Baleia. Este par de galáxias foi observado pela primeira vez em 1885 pelo astrônomo americano Lewis Swift.

Situadas a cerca de 300 milhões de anos-luz de distância, e estando voltadas de face para nós, podemos apreciar as suas formas de maneira clara. Tal como a Via Láctea - a nossa Galáxia - estes objetos são ambos galáxias espirais, com os característicos braços compridos que se enrolam em direção ao brilhante bojo central. Nos braços espirais bastante proeminentes podemos observar um grande número de estrelas azuis, jovens e quentes que se formam em grupos (os pequeníssimos pontos azuis que se vêem na imagem), enquanto que no bojo central um enorme grupo de estrelas velhas, vermelhas e mais frias se amontoam numa região compacta quase esférica.

À primeira vista, estas galáxias parecem-se uma com a outra, mas na realidade há muitos detalhes diferentes. Excetuando a diferença óbvia em tamanho, apenas NGC 799 tem uma estrutura em barra estendendo-se do bojo central, com os braços em espiral a sair das pontas da barra. Pensa-se que as barras galácticas atuem com um mecanismo que leva o gás dos braços em espiral ao centro, aumentando assim a formação estelar. Foi também observada uma supernova na NGC 799 em 2004, a SN2004dt.

Outra característica interessante que é diferente nas duas galáxias é o número de braços em espiral. A pequena NGC 800 tem três braços espirais brilhantes e cheios de nós, enquanto que NGC 799 só apresenta dois relativamente tênues, mas largos, que começam no final da barra e se enrolam quase completamente em volta da galáxia, formando uma estrutura que lembra um anel.

Embora pela imagem pareça que estas duas galáxias coexistem em total harmonia próximo uma da outra, nada pode estar mais longe da verdade. Na realidade, podemos estar a observar a calmaria antes da tempestade. Embora não saibamos bem o que o futuro trará, o certo  é que, normalmente, quando duas galáxias se encontram relativamente próximas uma da outra, interagem entre si durante centenas de milhões de anos por meio de distúrbios gravitacionais. Em alguns casos, apenas se dão interações menores, que provocam distorções na forma das galáxias, mas às vezes as galáxias colidem, fusionando-se e dando origem a uma única e enorme galáxia nova.

Esta imagem foi obtida com o instrumento FORS1, montado no Very Large Telescope de 8,2 metros, situado no Cerro Paranal, no Chile. A imagem é composta por várias exposições obtidas com três filtros diferentes (B, V, R).

Podemos também observar cinco asteroides - consegue encontrá-los? Os asteroides movimentaram-se entre as diferentes exposições, deixando traços coloridos na imagem.


5 de Agosto de 2013

Cinturão de Vênus sobre o Cerro Paranal

Esta fotografia mostra a paisagem na direção este, vista a partir do Observatório do Paranal segundos depois do Sol ter desaparecido por detrás do horizonte. O brilho alaranjado do pôr do Sol vê-se refletido nas cúpulas dos Telescópios Auxiliares do VLT de 1,8 metros, podendo também observar-se no céu a Lua quase cheia. Mas o que torna esta imagem ainda mais interessante é um efeito atmosférico conhecido por Cinturão de Vênus.

A sombra cinzento-azulada que se vê por cima do horizonte é a sombra da Terra e mesmo por cima dela vemos um brilho de tom cor de rosa. Este fenômeno é produzido pela luz vermelha do pôr do Sol a ser difundida pela atmosfera da Terra e pode ser visto tanto depois do pôr do Sol, como pouco antes do seu nascer. Pode também ser observado um efeito muito semelhante durante um eclipse total do Sol.

Os telescópios que se vêem na imagem são três dos quatro Telescópios Auxiliares de 1,8 metros de diâmetro, instalados no interior das suas coberturas móveis e ultracompactas. Os telescópios dedicam-se a observações interferométricas, ou seja, quando dois ou mais telescópios trabalham em uníssono, formando um espelho virtual e permitindo aos astrônomos ver muito mais pormenores do que se os telescópios fossem utilizados independentemente uns dos outros.

Carolin Liefke tirou esta fotografia durante uma visita ao Paranal e submeteu-a ao grupo Flickr Your ESO Pictures. O grupo Flickr é regularmente revisto e as melhores fotografias são seleccionadas para  aparecerem na nossa popular série Fotografia da Semana ou na nossa galeria de imagens. A Carolin trabalha na Haus der Astronomie (Casa da Astronomia), um centro de educação e divulgação de astronomia em Heidelberg, Alemanha, e é também um membro do ESO Science Outreach Network (ESON). O ESON leva as notícias do ESO aos Estados Membros e outros países, ao traduzir as notas de imprensa e ao ser o ponto de contacto com os media locais.

Links


29 de Julho de 2013

Messier 100: Esplendor grandioso

As galáxias espirais são geralmente objetos esteticamente muito atraentes, ainda mais quando nos aparecem de frente. Esta imagem mostra um exemplo particularmente bonito: trata-se da galáxia espiral Messier 100, situada a cerca de 55 milhões de anos-luz de distância, na região sul da constelação da Cabeleira de Berenice.

Além dos braços espirais extremamente bem definidos, Messier 100 apresenta também no seu centro uma estrutura em barra muito tênue, o que permite classificá-la como sendo do tipo SAB. Embora não seja muito óbvia a partir desta imagem, os cientistas confirmaram efetivamente a existência da barra ao observar a galáxia em outros comprimentos de onda.

Esta imagem muito detalhada mostra as características principais que se esperam de uma galáxia deste tipo: enorme nuvens de hidrogênio gasoso, que brilham em regiões avermelhadas quando re-emitem a energia absorvida, emitida por estrelas de grande massa recentemente formadas; o brilho uniforme das estrelas mais velhas amareladas situadas próximo do centro; e as manchas negras de poeira que se entrelaçam por entre os braços da galáxia.

Messier 100 é um dos membros mais brilhantes do aglomerado da Virgem, constituído pelas galáxias mais próximas da Via Láctea, e que contém mais de 200 galáxias, incluindo espirais, elípticas e irregulares. Esta fotografia é a combinação de imagens obtidas com o instrumento FORS, montado no Very Large Telescope do ESO, no Observatório do Paranal, no Chile, com os filtros vermelho (R), verde (V) e azul (B).

Links


  1 | 2 | 3 Próximo »
Mostrar 1 até 20 de 46
Bookmark and Share

Veja também