eso1311pt-br — Nota de imprensa científica

Medindo o Universo com mais precisão do que nunca

Novos resultados determinam com muita precisão a distância a uma das galáxias mais próximas

6 de Março de 2013, São Carlos

Ao fim de quase uma década de observações cuidadas, uma equipe internacional de astrônomos mediu a distância à nossa galáxia vizinha, a Grande Nuvem de Magalhães, com precisão inédita. Estas novas medições ajudam-nos a determinar melhor a taxa de expansão do Universo - a constante de Hubble - e são um passo crucial do sentido de compreendermos a misteriosa energia escura, que faz acelerar a expansão. A equipe observou com telescópios do Observatório de La Silla do ESO, no Chile, assim como com outros telescópios do mundo inteiro. Os resultados serão publicados na revista Nature a 7 de março de 2013.

Os astrônomos determinam a escala do Universo medindo primeiro a distância a objetos próximos e usando depois essas distâncias como velas padrão [1] para estimar distâncias cada vez maiores. No entanto, esta cadeia é apenas tão precisa quanto o seu elo mais fraco. Até agora, a medição precisa da distância à Grande Nuvem de Magalhães, uma das galáxias mais próximas da Via Láctea, provou ser algo complicado. Uma vez que as estrelas nesta galáxia são usadas para fixar a escala de distâncias a galáxias mais remotas, esta medição é muitíssimo importante.

Agora, observações cuidadas de uma classe rara de estrelas duplas permitiu a uma equipe de astrônomos deduzir um valor muito mais preciso da distância à Grande Nuvem de Magalhães : 163 000 anos-luz.

“Estou muito entusiasmado com este resultado porque há mais de cem anos que os astrônomos tentam medir com precisão a distância à Grande Nuvem de Magalhães, o que tem provado ser extremamente difícil”, diz Wolfgang Gieren (Universidad de Concepción, Chile) e um dos líderes da equipe. “Nós resolvemos este problema ao obter um resultado com uma precisão demonstrada de 2%”.

A melhoria na medição da distância à Grande Nuvem de Magalhães dá também distâncias mais precisas a muitas estrelas variáveis do tipo Cefeida [2]. Estas estrelas brilhantes que pulsam, são usadas como velas padrão para medir distâncias às galáxias mais remotas e determinar a taxa de expansão do Universo - a constante de Hubble, o que, por sua vez, é a base para observar o Universo até às galáxias mais longínquas que podem ser hoje vistas com os telescópios atuais. Portanto, a maior precisão na distância à Grande Nuvem de Magalhães leva a uma redução imediata da imprecisão nas medições atuais de distâncias cosmológicas.

Os astrônomos conseguiram tornar mais precisa a distância à Grande Nuvem de Magalhães ao observar pares raros de estrelas, chamadas binárias eclipsantes [3]. À medida que estas estrelas orbitam em torno uma da outra, vão passando também à frente uma da outra. Quando isto acontece, visto da Terra, o brilho total do sistema binário diminui de determinado valor quando uma estrela passa em frente da outra e diminui de outro valor quando essa estrela passa por detrás [4].

Ao detectarmos cuidadosamente estas variações no brilho e ao medir igualmente a velocidade orbital das estrelas, é possível determinar o tamanho das estrelas, as suas massas e as características das suas órbitas. Combinando estes dados com medições cuidadosas do brilho total e da cor das estrelas [5], podem ser determinadas distâncias muito precisas.

Este método já foi utilizado anteriormente, mas apenas com estrelas quentes. No entanto, para esses casos têm que ser supostas determinadas condições e por isso as distâncias que daí se derivam não são tão precisas como desejaríamos. Agora, pela primeira vez, conseguiu-se identificar oito binárias eclipsantes muito raras, onde ambas as estrelas são gigantes vermelhas mais frias [6]. Estas estrelas foram estudadas com todo o detalhe, o que originou valores para a distância muitíssimo precisos - até 2%.

O ESO forneceu-nos o conjunto perfeito de telescópios e instrumentos necessários a este projeto: o HARPS, que mede velocidades radiais extremamente precisas de estrelas relativamente tênues e o SOFI, que faz medições precisas do brilho das estrelas no infravermelho”, acrescenta Grzegorz Pietrzyński (Universidad de Concepción, Chile e Observatório da Universidade de Varsóvia, Polônia), autor principal do novo artigo científico na Nature.

Estamos trabalhando no sentido de melhorar ainda mais o nosso método e esperamos conseguir obter nos próximos anos uma distância à Grande Nuvem de Magalhães com um 1% de precisão. Este trabalho tem consequências tremendas, não apenas no campo da cosmologia, mas também em muitas outras áreas da astrofísica”, conclui Dariusz Graczyk, o segundo autor do novo artigo na Nature.

Notas

[1] As velas padrão são objetos para os quais se conhece o seu brilho absoluto. Ao observar quão brilhante um objeto nos parece - o brilho aparente - os astrônomos podem determinar a distância a que se encontram - objetos mais distantes parecem menos brilhantes. Exemplos de tais velas padrão são as variáveis do tipo Cefeide [2] e as supernovas do tipo Ia. A grande dificuldade é calibrar a escala de distâncias, recorrendo a observações de tais objetos relativamente próximos de nós, e para os quais a distância pode ser calculada por outros métodos.

[2] As variáveis do tipo Cefeida são estrelas instáveis brilhantes, que pulsam e variam em brilho. Existe uma relação muito clara entre a velocidade desta variação e o seu brilho. As Cefeidas que pulsam mais rapidamente são mais tênues do que as que pulsam mais devagar. A relação período-luminosidade permite-nos usar estas estrelas como velas padrão para medir as distâncias às galáxias próximas.

[3] Este trabalho faz parte de um projeto a longo termo chamado Projeto Araucaria, que pretende melhorar as medições das distâncias às galáxias próximas.

[4] As variações de brilho dependem dos tamanhos relativos das estrelas, das suas temperaturas e cores e das características das órbitas.

[5] As cores são medidas ao comparar o brilho das estrelas a diferentes comprimentos de onda no infravermelho.

[6] Estas estrelas foram encontradas entre 35 milhões de estrelas observadas na Grande Nuvem de Magalhães pelo projeto OGLE.

Mais Informações

Este trabalho foi descrito no artigo científico “An eclipsing binary distance to the Large Magellanic Cloud accurate to 2 per cent”, por G. Pietrzyński et al., que será publicado a 7 de março de 2013 na revista Nature.

A equipe é composta por G. Pietrzyński (Universidad de Concepción, Chile; Observatório da Universidade de Varsóvia, Polônia), D. Graczyk (Universidad de Concepción), W. Gieren (Universidad de Concepción), I. B. Thompson (Carnegie Observatories, Pasadena, EUA), B., Pilecki (Universidad de Concepción; Observatório da Universidade de Varsóvia), A. Udalski (Observatório da Universidade de Varsóvia), I. Soszyński (Warsaw University Observatory), S. Kozłowski (Observatório da Universidade de Varsóvia), P. Konorski (Observatório da Universidade de Varsóvia), K. Suchomska (Observatório da Universidade de Varsóvia), G. Bono (Università di Roma Tor Vergata, Roma, Itália; INAF-Osservatorio Astronomico di Roma, Itália), P. G. Prada Moroni (Università di Pisa, Itália; INFN, Pisa, Itália), S. Villanova (Universidad de Concepción ), N. Nardetto (Laboratoire Fizeau, UNS/OCA/CNRS, Nice, França),  F. Bresolin (Institute for Astronomy, Hawaii, EUA), R. P. Kudritzki (Institute for Astronomy, Hawaii, EUA), J. Storm (Instituto Leibniz para a Astrofísica, Potsdam, Alemanha), A. Gallenne (Universidad de Concepción), R. Smolec (Centro Astronómico Nicolaus Copernicus, Varsóvia, Polônia), D. Minniti (Pontificia Universidad Católica de Chile, Santiago, Chile; Observatório do Vaticano, Itália), M. Kubiak (Observatório da Universidade de Varsóvia), M. Szymański (Observatório da Universidade de Varsóvia), R. Poleski (Observatório da Universidade de Varsóvia), Ł. Wyrzykowski (Observatório da Universidade de Varsóvia), K. Ulaczyk (Observatório da Universidade de Varsóvia), P. Pietrukowicz (Observatório da Universidade de Varsóvia), M. Górski (Observatório da Universidade de Varsóvia), P. Karczmarek (Observatório da Universidade de Varsóvia).

O ano de 2012 marca o quinquagésimo aniversário da fundação do Observatório Europeu do Sul (ESO). O ESO é a mais importante organização europeia intergovernamental para a pesquisa em astronomia e é o observatório astronômico mais produtivo do mundo. O ESO é  financiado por 15 países: Alemanha, Áustria, Bélgica, Brasil, Dinamarca, Espanha, Finlândia, França, Holanda, Itália, Portugal, Reino Unido, República Checa, Suécia e Suíça. O ESO destaca-se por levar a cabo um programa de trabalhos ambicioso, focado na concepção, construção e funcionamento de observatórios astronômicos terrestres de ponta, que possibilitam aos astrônomos importantes descobertas científicas. O ESO também tem um papel importante na promoção e organização de cooperação nas pesquisas astronômicas. O ESO mantém em funcionamento três observatórios de ponta, no Chile: La Silla, Paranal e Chajnantor. No Paranal, o ESO opera  o Very Large Telescope, o observatório astronômico óptico mais avançado do mundo e dois telescópios de rastreio. O VISTA, o maior telescópio de rastreio do mundo que trabalha no infravermelho e o VLT Survey Telescope, o maior telescópio concebido exclusivamente para mapear os céus no visível. O ESO é o parceiro europeu do revolucionário telescópio  ALMA, o maior projeto astronômico que existe atualmente. O ESO está planejando o European Extremely Large Telescope, E-ELT, um telescópio de 39 metros que observará na banda do visível e infravermelho próximo. O E-ELT será “o maior olho no céu do mundo”.

Links

Contatos

Gustavo Rojas
Universidade Federal de São Carlos
São Carlos, Brazil
Tel.: 551633519795
e-mail: grojas@ufscar.br

Grzegorz Pietrzyński
Universidad de Concepción
Chile
Tel.: +56 41 220 7268
Cel.: +56 9 6245 4545
e-mail: pietrzyn@astrouw.edu.pl

Wolfgang Gieren
Universidad de Concepción
Chile
Tel.: +56 41 220 3103
Cel.: +56 9 8242 8925
e-mail: wgieren@astro-udec.cl

Richard Hook
ESO, Public Information Officer
Garching bei München, Germany
Tel.: +49 89 3200 6655
Cel.: +49 151 1537 3591
e-mail: rhook@eso.org

Este texto é a tradução da Nota de Imprensa do ESO eso1311, cortesia do ESON, uma rede de pessoas nos Países Membros do ESO, que servem como pontos de contato local para a imprensa. O representante brasileiro é Gustavo Rojas, da Universidade Federal de São Carlos. A nota de imprensa foi traduzida por Margarida Serote (Portugal) e adaptada para o português brasileiro por Gustavo Rojas.

Sobre a nota de imprensa

No. da notícia:eso1311pt-br
Nome:Large Magellanic Cloud
Tipo:• Local Universe : Star : Type : Variable : Eclipsing
• Local Universe : Galaxy : Type : Irregular
Facility:Very Large Telescope
Science data:2013Natur.495...76P

Imagens

Impressão artística de uma binária eclipsante
Impressão artística de uma binária eclipsante
Explicação sobre binárias eclipsantes
Explicação sobre binárias eclipsantes
Mapa da Grande Nuvem de Magalhães
Mapa da Grande Nuvem de Magalhães

Vídeos

Zoom na direção de uma binária eclipsante
Zoom na direção de uma binária eclipsante
Impressão artística de uma binária eclipsante
Impressão artística de uma binária eclipsante

Veja também